Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha: conheça história da data

Atualizado: 22 de jul.


O Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha, comemorado em 25 de julho, reforça a luta histórica das mulheres negras por sobrevivência em uma sociedade estruturalmente racista.


No Brasil, a data homenageia a líder quilombola Tereza de Benguela, símbolo de luta e resistência da comunidade negra e indígena, que enfrentou a escravidão por mais de 20 anos.


Após a morte do marido, José Piolho, Tereza assumiu o comando do Quilombo Quariterê e o liderou por décadas. Ficou conhecida por sua visão vanguardista e estratégica.


O Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha foi instituído em 1992 no 1º Encontro de Mulheres Afro-latino-americanas e Afro-caribenhas, na República Dominicana.


O evento surgiu para dar visibilidade à luta das mulheres negras contra a opressão de gênero, a exploração e o racismo.


Resistir, construir e avançar são verbos que as mulheres negras carregam consigo historicamente. Da luta contra a escravidão aos tempos atuais, elas fazem a micro e macro política nas ruas e nas arenas públicas.


A história da organização das mulheres negras em defesa de seus interesses começa no século XIX, com a criação de associações e irmandades, e durante o século XX com a criação de organizações a partir de 1950, o ano em que é fundado o Conselho Nacional de Mulheres Negras no Rio de Janeiro.


Por que ainda é preciso lutar?

Mais da metade da população brasileira é negra, segundo dados do IBGE. Porém, essa população, em especial as mulheres negras, protagonizam os piores indicadores sociais.


De acordo com o Atlas da Violência de 2019, 66% de todas as mulheres assassinadas no país naquele ano eram negras. Além disso, 63% das casas chefiadas por mulheres negras estão abaixo da linha da pobreza, de acordo com a última Síntese dos Indicadores Sociais do IBGE.


Superar o racismo é fundamental para o enfrentamento das desigualdades e para a construção de uma sociedade verdadeiramente democrática.


Por isso, é preciso que o respeito paute a relação das empresas com seus colaboradores, assim como é necessário investir em ações de afirmação positiva.


Nós da MCS Markup somos aliados desta luta!